Logo Torres del Paine

tdp-00

      Mesmo sendo considerado pelas revistas especializadas como um dos melhores destinos de trekking do mundo, Torres del Paine ainda é um local pouco conhecido fora do grupo de aficionados por caminhadas.

     Situado no extremo sul do Chile, em 1959 foi transformado em Parque Nacional e, em 1978, declarado pela Unesco como Reserva da Biosfera. Em seus 181.000 hectares há diversas trilhas que podem ser feitas a pé ou a cavalo, além de áreas que podem ser visitadas de carro ou barco, fazendo com que o parque seja acessível para qualquer pessoa, desde quem gosta de passar vários dias acampando até quem quer viajar com todo conforto. Minha escolha foi pelo Circuito Grande, também conhecido como O, uma trilha a pé com 135 km, que é normalmente feita em 7 pernoites.

     Apesar de não ter grandes altitudes, com máxima de 1.200 metros no Paso John Gardner, o inverno é bastante rigoroso e até no verão é possível pegar neve, apesar de não ser comum. O que é comum, em se tratando do clima, é haver grandes variações em pouco tempo. Isso sem falar no vento, que pode fazer a sensação térmica cair para baixo de 0 mesmo durante o dia. Ou, caso você tenha mais sorte que eu, pode passar alguns dias caminhando apenas de camiseta…

     Passagens compradas, roteiro estudado, equipamentos de foto, camping, roupas e comida para 9 dias na mochila cargueira. E não é que a mochila de 80 litros ficou pequena? O peso disso tudo: pouco mais de trinta quilos, que felizmente foi diminuindo a cada refeição.

     Apesar da longa distância, não é preciso ser um super atleta para fazer esse circuito, especialmente se você optar por dormir e comer nos refúgios. Nesse caso, apenas um acampamento (Los Perros, na subida para o Paso John Gardner) do roteiro aqui descrito precisa ser deixado de lado, mas sem o peso do equipamento de camping e comida, é perfeitamente viável. A elevação total acumulada é de 6.800 metros, o que não é muito se dividirmos pela distância, de 135 km.

 

Dia 1 – Hosteria Las Torres ao Acampamento Serón
14 km – Elevação Total Acumulada de 350 metros
tdp-1

 alt-1

      O primeiro dia é o mais tranqüilo, mesmo as poucas subidas do caminho não são íngremes, servindo como uma boa adaptação para o resto do circuito. Depois de quatro horas caminhando em ritmo lento, conversando com um californiano radicado no Havaí, chegamos ao acampamento Serón. Dizem que, quando esquenta, o Valle Encantado fica todo florido com margaridas, mas quando fui, no fim de novembro, elas ainda não haviam aparecido, provavelmente pelo frio que insistia em não ir embora.

À direita está a Hosteria Las Torres, onde a trilha começa, e à esquerda o Ecocamp

À direita está a Hosteria Las Torres, onde a trilha começa, e à esquerda o Ecocamp

Valle Encantado

Valle Encantado

Vista do acampamento Serón

Vista do acampamento Serón

 

Dia 2 – Acampamento Serón ao Dickson
19,5 km – Elevação Total Acumulada de 550 metrostdp-2

alt-2

     Às sete da manhã, dentro da barraca, 8 graus. Temperatura boa, mas durante a noite deve ter feito bastante frio, tanto que nas montanhas ao redor do acampamento havia muito mais neve que no dia anterior. Porém, havia sol, confirmando o que haviam me falado sobre as constantes mudanças de clima.

     Café-da-manhã na barriga, mochila nas costas e pé na trilha, que já começa mais bonita que no primeiro dia, entre belas árvores e margeando o Rio Paine.

     Pena que o sol se escondeu uma hora depois, já que a vista do Lago Paine deve ser linda com o céu azul refletido em sua água. Paciência, logo muda de novo… Ou não! A partir daí, a caminhada foi feita novamente com o céu totalmente branco e com nuvens baixas, que bloqueavam a vista das montanhas e do glaciar Dickson.

Vista do acampamento Serón

Vista do acampamento Serón

2011-11-24-023

Em quase todo o trajeto a trilha está muito bem marcada

Rio Paine

Rio Paine

tdp-rio-paine-1-miniatura

Foto em 360 graus do Rio Paine

Lago Paine

Lago Paine

lago-paine-1-miniatura

Foto em 360 graus do Lago Paine

Acampamento Dickson

Acampamento Dickson

 

Dia 3 – Acampamento Dickson ao Los Perros
12,5 km – Elevação Total Acumulada de 700 metros tdp-3

alt-3

     Este não deveria ser um dia difícil, pois apesar de ser o começo da subida para o Paso John Gardner, a distância é curta. Mas não foi bem assim… A chuva que havia começado na tarde do dia anterior variava de intensidade, mas não parava. Tomei o café-da-manhã dentro da barraca, de onde não saí até às dez, quando percebi que nem sempre o clima muda rapidamente em Torres del Paine. Ao menos agora a chuva estava fraca e foi mais fácil desmontar acampamento e começar a caminhar, mas durante todo o dia a câmera ficou guardada, já que ainda não havia passado pelas principais paisagens e não quis colocar o equipamento em risco.

     A trilha é bonita, passando por uma floresta pouco densa, mas com árvores enormes. Por diversas vezes o caminho cruza um belo rio e suas corredeiras, mas no momento que saí do abrigo das árvores, o vento estava tão forte que mal permitia caminhar, e a apenas 500 metros de altitude a chuva deu lugar à neve.

     Ao chegar no Los Perros fui correndo para uma tenda cheia de gente, onde havia uma fornalha em que todos tentavam se aquecer, secar roupas e equipamentos. Um alívio, sem dúvida a melhor vista da viagem até o momento! Além disso, as horas passadas nesse abrigo foram ótimas para conhecer as outras pessoas que estavam fazendo o Circuito Grande, inclusive os únicos quatro chilenos com quem conversei durante os oito dias. Alemães, israelenses, franceses e americanos conheci aos montes, mas chilenos eram raridade em seu próprio país.

Raposa procurando comida em volta das barracas no acampamento Los Perros

Raposa procurando comida em volta das barracas no acampamento Los Perros

 

Dia 4 – Acampamento Los Perros ao Grey
18 km – Elevação Total Acumulada de 1.350 metros
tdp-4

alt-4

     Como esse prometia ser o dia mais cansativo, acordei bem cedo (dentro da barraca, apenas 3 graus) e, na hora de sair, vi um grupo de Washington D.C., EUA, partindo, então me juntei a eles para ter mais segurança e alguém para bater papo.

     Não sei se por estar psicologicamente preparado para um caminho que acreditava ser duro ou se foi pela boa conversa, mas a subida do Paso John Gardner não foi difícil como pensei. No começo passamos por áreas de charco, mas era sempre possível pisar em troncos jogados sobre a lama. Depois veio a neve, que em alguns pontos ia até o joelho, mas bastou seguir o caminho marcado para alcançar o cume, sempre curtindo um visual incrível!

     Por falar em visual, a vista para o outro lado do Paso é das mais impressionantes que já tive! Infelizmente não dá para mostrar a dimensão do glaciar Grey nas fotos (já que não é possível colocar um ponto de referência nele), mas mesmo com o tempo encoberto, a vista tira mais o fôlego que a caminhada!

     Vencida a subida, só falta descer, descer e descer… De 1.200 metros até o acampamento, a apenas 50 metros de altitude. O acampamento Grey já faz parte do Circuito W, o lado mais civilizado do parque, então a quantidade de pessoas é muito maior, assim como a quantidade de mulheres, que até então eram minoria absoluta. Se nos acampamentos exclusivos do Circuito Grande havia em média 10 barracas, aqui havia bem mais de 30. Infelizmente, também há muita gente despreparada para acampar em uma região que é tão frágil quanto bela. Como exemplo, em 27 de dezembro de 2011, poucas semanas depois que parti, um israelense perdeu controle sobre o fogo que criou e o vento espalhou as chamas com rapidez, queimando uma área de 14 mil hectares, 7% do parque! Alguns anos antes foi um tcheco que causou um grande incêndio, também por descuido, mas o estrago é o mesmo, seja o fogo intencional ou não.

Início da subida para o Paso John Gardner

Início da subida para o Paso John Gardner

2011-11-26-007

Travessia do Paso John Gardner

Travessia do Paso John Gardner

Travessia do Paso John Gardner

tdp-paso-1-miniatura

Foto em 360 graus da travessia do Paso John Gardner

tdp-paso-2-miniatura

Foto em 360 graus do cume do Paso John Gardner com vista para o Lago Los Perros

tdp-paso-3-miniatura

Foto em 360 graus do cume do Paso John Gardner com vista para o Glaciar Grey

Glaciar Grey visto do cume do Paso

Glaciar Grey visto do cume do Paso

Trilheiros a caminho do acampamento Grey

Trilheiros a caminho do acampamento Grey

Pica-pau no acampamento Los Guardas

Pica-pau no acampamento Los Guardas

Glaciar Grey

Glaciar Grey

 

Dia 5 – Acampamento Grey ao Paine Grande
17,5 km – Elevação Total Acumulada de 650 metrostdp-5

alt-5

     Dia de caminhada fácil, com subidas leves e vistas incríveis para o glaciar e lago Grey, mas o melhor está no próprio acampamento Paine Grande. Logo atrás do hotel há um mirante fantástico, e para minha sorte o sol resolveu aparecer quando cheguei, depois de um dia inteiro com tempo fechado. Hora de fotografar e, depois, ficar sentado curtindo o visual… Até a chuva reaparecer e me mandar de volta para a barraca.

Glaciar e lago Grey

Glaciar e Lago Grey

tdp-lago-grey-1-miniatura

Foto em 360 graus do Lago e Glaciar Grey

Iceberg que se desprendeu do glaciar Grey

Iceberg que se desprendeu do Glaciar Grey

 

2011-11-27-029

Cachoeira que deságua no Lago Grey

 

Acampamento e hotel Paine Grande

Acampamento e hotel Paine Grande

 

Lago Pehoé, Paine Grande (à esquerda) e Cuernos del Paine (à direita do Paine Grande. Entre as duas montanhas fica o Valle del Francés.

Lago Pehoé, Paine Grande (à esquerda) e Cuernos del Paine (à direita do Paine Grande. Entre as duas montanhas fica o Valle del Francés.

tdp-mirante-pehoe-1-miniatura

Foto em 360 graus do mirante para Lago Pehoé, Paine Grande e Cuernos del Paine

 

Dia 6 – Acamp. Paine Grande ao Los Cuernos
25,0 km – Elevação Total Acumulada de 1.700 metr
ostdp-6

alt-6

 

     Apesar de ser o dia com maior distância e elevação acumulada, são apenas 13 km carregando a mochila, pois é possível deixá-la no acampamento Italiano antes de subir o Valle del Francés. O vale tem uma das paisagens mais bonitas do parque, com rios, geleiras e vista tanto para as montanhas que compõe o Paine Grande como para os Cuernos del Paine. Infelizmente, nesse dia as nuvens estavam baixas, encobrindo os picos a maior parte do tempo.

Lago Pehoé

Lago Pehoé

Lago Skottsberg

Lago Skottsberg

tdp-skottsberg-1-miniatura

Foto em 360 graus do Lago Skottsberg

Valle del Francés

Valle del Francés

tdp-valle-frances-1-miniatura

Foto em 360 graus do Valle del Francés

Cuernos del Paine

Cuernos del Paine

Lago Nordenskjöld

Lago Nordenskjöld

Lago Nordenskjöld

Lago Nordenskjöld

Paine Grande e Cuernos del Paine iluminados pela lua

Paine Grande e Cuernos del Paine iluminados pela lua

 

Dia 7 – Acampamento Los Cuernos ao Torres
17,0 km – Elevação Total Acumulada de 950 metrostdp-7

alt-7

 

     A primeira metade do caminho é feita junto ao lago Nordenskjöld, até começar a subida para as Torres Del Paine. O último acampamento com refúgio e boa estrutura é o Chileno, mas optei por seguir em frente e dormir no acampamento Torres, que apesar de ter como estrutura apenas um banheiro sujo, fica a somente 45 minutos do mirante. Como a vista mais bonita acontece ao nascer do sol, vale a pena dormir mais perto para ter uma hora a mais de sono.

Lago Nordenskjöld

Lago Nordenskjöld

Subida para as Torres del Paine

Subida para as Torres del Paine

      Dia 8 – Acampamento Torres à Hosteria Las Torres
12,5 km – Elevação Total Acumulada de 500 metros
tdp-8

alt-8

     Acordar às três e meia da madrugada depois de uma semana caminhando pode parecer difícil… E é mesmo! Mas tudo bem, ver o sol pintar de laranja as montanhas que dão nome ao parque vale um último esforço de todos que trocaram o conforto de suas casas para passar oito dias sentindo frio, sono e cansaço, mas que foram recompensados com vistas impressionantes de um dos circuitos de trekking mais belos e diversos do mundo!

Amanhecer nas Torres del Paine

Amanhecer nas Torres del Paine

tdp-torres-1-miniatura

Amanhecer nas Torres del Paine

2011-11-30-080

2011-11-30-179-219-fusao

2011-11-30-255

tdp-torres-2-miniatura

Torres del Paine

 

      Abaixo estão as fotos em 360 graus de todos os acampamentos e hospedagens do Circuito Grande, feitas no final de 2011

tdp-0

tdp-britanico-1-miniatura

Británico – Acampamento

tdp-camp-chileno-1-miniatura

Chileno – Acampamento e refúgio

dickson-1-miniatura

Dickson – Acampamento e refúgio

tdp-camp-grey-1-miniatura

Grey – Acampamento e refúgio

tdp-camp-italiano-1-miniatura

Italiano – Acampamento

tdp-camp-las-torres-1-miniatura

Las Torres – Acampamento

tdp-hotel-las-torres-1-miniatura

Las Torres – Hotel

tdp-hosteria-las-torres-1-miniatura

Las Torres – Refúgio

tdp-camp-cuernos-1-miniatura

Los Cuernos – Acampamento, refúgio e cabanas

tdp-los-guardas-1-miniatura

Los Guardas – Acampamento

tdp-los-perros-1-miniatura

Los Perros – Acampamento

tdp-paine-grande-1-miniatura

Paine Grande – Acampamento, refúgio e hotel

tdp-camp-paso-1-miniatura

Paso – Acampamento

tdp-seron-1-miniatura

Serón – Acampamento e refúgio

tdp-camp-torres-1-miniatura

Torres – Acampamento